Sinta o prazer de ser Absollut!

omposta por artista do Vale do Paraíba e ambientada na região, curta musical “Jussara” ultrapassa 100 mil visualizaçõesNews

• Publicado em 7/02/2022, às 12:31


Nascido em Guaratinguetá, Samuel Samuca, voz da big band Samuca e a Selva, assina faixa dançante que narra encontro amoroso ambientado numa noite de delícia em Taubaté, em filme dirigido por Carina Mazarotto e Ricardo Sant’Anna, da Fuelture

Assista ao filme aqui

 

A histórica região do Vale do Paraíba é o cenário do curta-metragem musical “Jussara”, composta e cantada pelo guaratinguetaense Samuel Samuca, que celebra com a banda Samuca e a Selva a marca de mais de 100 mil visualizações do filme no Youtube, em pouco mais de um mês de seu lançamento. Dirigido por Carina Mazarotto e Ricardo Sant’Anna,  “Jussara” se passa em um boteco de roça em Taubaté, interior de São Paulo, em 1981, e tem como estrela principal a musa inspiradora Jussara. A protagonista representa a força e liberdade da mulher brasileira, fugindo de clichês, num curta-metragem musical que resgata o clima alto astral dos bailes antigos e destaca a cultura local..

Com o frescor das danças atuais, o curta “Jussara” exalta a diversidade, o amor e a cultura regional. Além dos integrantes da banda, que encarnam personagens da trama, o filme, que está no ar há pouco mais de um mês, conta com participação de Nelson Triunfo,  figura-chave na cena da música negra brasileira ligada à soul music e ao hip-hop e um dos pioneiros do breaking no Brasil.

Com um portfólio que traz campanhas como “Noronha Zero Emission” (Renault), com Bruno Gagliasso, e “Legend Life” (Mitsubishi), os diretores de “Jussara” assinam seu primeiro projeto autoral. No comando da Fuelture, produtora focada em filmes e conteúdos para marcas, a dupla dirige o curta-metragem musical para o single da banda Samuca e a Selva.

Com irrefreável vocação pop, a cada lançamento, a banda Samuca e a Selva revela um pouco mais dos predicados de seu groove sabor deleite latino-americano. Um rico e inerente balanço envolvido na poesia, sagacidade e lampejos deliciosos de humor do carismático letrista e cantor Samuel Samuca. Tudo sempre marinado em arranjos criativos e sofisticados, marcados pela presença de um quarteto de metais, orquestrados por nove talentosos músicos da cena contemporânea paulista. Mas é com o single “Jussara”, um swing rasgado com potencial de hit do verão, que a banda se esbalda numa pista ainda mais democrática musicalmente. A faixa-festa promove “o famoso encontro cármico” de todos os elementos da Selva em doses celebrativas; toma, implacável, o bonde do pop e consagra a banda ao posto anunciado. “Jussara” é a robustez de Samuca e a Selva em seu auge pop, indefectivelmente ao ponto.

Na linha do tempo da banda, o single assinado por Samuel Samuca e produzido pelo maestro, compositor, arranjador, produtor e diretor musical Xuxa Levy, indicado ao Grammy Latino pela produção de “Sobre Crianças, Quadris, Pesadelos e Lições de Casa”, de Emicida; coroa uma trajetória auspiciosa. Já em sua estreia com o álbum “Madurar” (2016), Samuca e a Selva foram indicados para o Prêmio da Música Brasileira como melhor grupo na categoria canção popular. Depois, emplacaram o celebrado disco “Tudo que Move é Sagrado”, em homenagem aos 70 anos de Ronaldo Bastos, entre os melhores álbuns de 2018 do Prêmio APCA. A big band paulista lançou ainda as faixas especiais “Passeando em Mim”, no carnaval 2020, e “Coragem”, necessário hino de força de 2021. Muito antes da era das dancinhas, os dez integrantes da Selva são conhecidos por meter dança e surpreender com divertidas e despretensiosas coreografias. E foi destinado às pistas seu mais recente lançamento, o EP de remixes “TERRA” (2021), totalmente produzido por mulheres.

Samuca e a Selva é Samuel Samuca (voz), Allan Spirandelli (guitarras), Fábio Prior (percussão), Felippe Pipeta (trompete), Guilherme Nakata (bateria), Kiko Bonato (sax tenor), Lucas Coimbra (teclados), Léo Malagrino (contrabaixo), Bio Bonato (sax barítono) e Victor Fão (trombone).

Sobre Samuca e a Selva – Fruto da união do carismático e enérgico cantor e compositor Samuel Samuca com nove músicos de projetos de sucesso na cena da música contemporânea de São Paulo, como Nômade Orquestra e Orquestra Brasileira de Música Jamaicana, a banda comemora sete anos de existência. Na diversidade musical da Selva, música regional brasileira, jazz e ritmos latinos explodem em apresentações vigorosas e surpreendentes. O disco de estreia, “Madurar” (2016, YbMusic), rendeu à banda indicação para o 28º Prêmio da Música Brasileira como melhor grupo na categoria canção popular. O segundo álbum, “Tudo que Move É Sagrado”, que conta com participações de nomes como Criolo, Luedji Luna, Liniker, Siba e Filipe Catto, para homenagear os 70 anos de Ronaldo Bastos, figura entre os melhores álbuns de 2018 do Prêmio APCA. Em 2020, a banda lançou a faixa especial para embalar o Carnaval “Passeando em Mim”. Em 2021, Samuca e a Selva lançaram o clipe do single “Coragem” e o EP de remixes “TERRA”, totalmente produzido por mulheres.

+ informações
Fernanda Couto
11 97271 4391
fecouto78@gmail.com



Deixe seu comentário:
Os comentários não representam a opinião da Revista Absollut. A responsabilidade é do autor da mensagem.

Absollut News Tendencias, novidades e lançamentos estão aqui