Ternura antiga

Ternura antiga

Eu te convido à minha casa. Entra!
Pousa teu olhar sobre as videiras.
Eu as plantei para saciar-te a sede.
E o pão também é teu
São teus o vinho e o lume.
Para consagrar-te não construí altares
Só te falei numa linguagem pura
E a essência do amor selou o entendimento
E teu corpo estremeceu dessa ternura.
Quero de volta o cordão umbilical que me prendia ao sonho.
Anelo pela água, pelo pulsar do sangue na tessitura de minha pele, no aconchego da placenta onde eu germinava em dedos, unhas, vísceras e ossos, na opulência da carne. Na memória do caos onde tudo começa.
Cada linha das mãos gravando minha história, única, ligada às constelações e ao seu inalcançável brilho.
Eu, antes do sopro em minha boca. Eu, uma palpitação, apenas, preparando-me para o vir a ser na ilusão do mundo. No âmago da loucura. Na opulência do abismo.
Cada geografia com suas dores perpetuadas, consome-se em lágrimas e medo. Descreve-se no líquen das palavras, tantas, que ocultam o doce mistério da vida. Vida, este instinto interminável que nos empurra para o avesso do sonho. Para o oposto do brilho. Para o batismo da morte. Sempre! Sempre a vida por um fio nas mãos das moiras. Sempre… por um fio!

Há sempre uma vontade incontida que me preenche de estremecimentos. Um desejo que se instala em meio à sanidade e à loucura, buscando um lampejo de criação que não se concretiza, embora se pressinta, fabuloso. Vontade de ser flor em meio à terra craquelada. Vontade de ser lágrima nascida do ardor da fé que não me habita. Sentimento de ruminar essa existência, sonhando além do corpo. Além da palavra, palavra. Além da devastação da esperança. Ah! Esse silêncio de estrelas no céu de outubro, e a noite imensa…
Quero cantar o amor, ainda que a voz saia cravejada de dardos e o sangue invada meus olhos vazios de esperança.
E as palavras, joias raras, surgem engastadas no colar da escrita. Elas cintilam como a lua hipnotizando as retinas, provocando devaneios que geram poemas ceivados ora de placidez, ora de assombro. Elas, que têm o mister de reinventar o mundo e instaurar o indizível em sua imensidão de ritmos, povoando de quimeras as entrelinhas dos textos.

Palavras, sempre palavras

Palavras podem tudo em sua magnificência: amar, odiar, trespassar a dor e transformá-la em versos. Forças vertiginosas de ardência e estupor. Terra e água. Trigo e roseira. Loucura e silêncio. Luz, sombra, vendaval, imensidão, embriaguez, impudor e, às vezes, o próprio esgotamento.
E os poemas surgem, palpitantes, fertilizando as letras com seus arpejos de asas ou seus verbos de sangue. Assombrosos e antigos, misteriosos e voláteis, ardentes e nebulosos… como o próprio tempo.
O dragão que me deixa insone…
Chove e não entendo se é o vento que arrasta a chuva até os vales, ou se é o destino das nuvens, que, abruptamente, interrompe seu ciclo de alva leveza e as coloca no mapa das tormentas.
Chove, e meu coração acompanha a teia de gotas que se fecha sobre a pedra que submerge, sobre a rua que submerge, sobre as plantações.
Por dentro da chuva que cai, impiedosa, a dor das perdas, tantas, despeja-se nos rios que transbordam, nas enchentes que engolem os verdes pastos, nos sonhos que flutuam até a boca voraz do tempo que nada explica e tudo transforma.
Chove, e o dragão feroz que a tempestade liberta me deixa insone, afogando as palavras que não conseguem emergir.

Ludmila Saharovsky

Ludmila Saharovsky

Escritora, cronista, poeta e folclorista, transita com seu talento entre fadas, duendes e pirilampos. De família russa, nasceu num campo de refugiados na Áustria. Chegou ao Brasil  aos 5 ano e hoje  mora em Jacareí onde empresta seu nome a Biblioteca Thereza Porto Marques. Desde 1974, escreve para revistas e jornais. Seu 7º livro publicado – 100 Crônicas Escolhidas & Alguns Contos Clandestinos – congestionou 10.10.2018 a Biblioteca Municipal de Jacareí e alguns quarteirões da Av 9 de julho em noite de lançamento.