Conceito Audi PB18

Conceito Audi PB18

Pela primeira vez, a Audi apresenta um conceito tecnológico e de design na Semana Automotiva
de Pebble Beach, em Monterey, Califórnia.

O modelo totalmente elétrico Audi PB18 e-tron traz uma visão radical do superesportivo de alta performance do futuro. Amplo e plano, visivelmente inspirado em túneis de vento e nas pistas de corrida, sua presença sinaliza que o carro está destinado a ultrapassar limites.

As características técnicas do PB18 e-tron se beneficiaram dos muitos anos em que a Audi venceu a série de corridas de Le Mans. Os especialistas da Audi Sport GmbH foram responsáveis pela implementação. O nome PB18 e-tron se refere tanto ao local de Pebble Beach, escolhido para a estreia, quanto ao DNA tecnológico compartilhado com o bem-sucedido protótipo LPM1 R18 e-tron.

Conceitos consistentemente focados para o uso
À primeira vista, o PB18 e-tron mostra seu parentesco com outro carro-conceito espetacular da marca – o Aicon, de 2017. Os dois carros-conceito de 2017 e de 2018 compartilham elementos de design característicos, como as janelas laterais que se inclinam para dentro, os aros de roda extremamente estendidos e o sistema de condução elétrico, com bateria em estado sólido para armazenamento de energia.

No entanto, seus respectivos conceitos focados para o uso, os colocam em extremos opostos. Enquanto o Aicon foi projetado como um veículo de luxo totalmente autônomo para longas distâncias – um jato comercial para a estrada – os criadores do PB18 e-tron o projetaram como uma máquina automotiva radical para a pista de corrida e para a estrada.

Dinamismo e emoção estão no topo da lista de especificações. Parâmetros como potência, aceleração lateral e ergonomia perfeita determinam cada detalhe. E a orientação ao motorista fica em uma dimensão totalmente nova.

No PB18 e-tron, o motorista é quem conduz e pisa no acelerador e no freio. Dessa forma, não há sistemas complexos de direção pilotada a bordo ou equipamentos de conforto para deixar o carro mais pesado. Em vez disso, há um banco e um cockpit que estão integrados a um chassi monocoque interno, que desliza lateralmente. Quando pilotado sozinho, o monocoque pode ser posicionado no centro do interior, como em um monoposto – posição perfeita para uma pista de corrida. Isso foi possível graças ao design da direção e dos pedais, sem a necessidade de uma
conexão mecânica entre os elementos de controle.

Quando o monocoque do condutor desliza para a lateral, de onde o PB18 e-tron pode ser dirigido como um veículo convencional, há espaço para um passageiro. Um assento adicional pode ser acessado do outro lado, integrado bem próximo do piso e equipado com um cinto de segurança de três pontos. O condutor também se beneficia ao entrar e sair do veículo pela posição facilmente acessível do monocoque, que pode ser deslocada, quando a porta estiver aberta até o limite.

 

Inspiração no automobilismo
O PB18 e-tron segue a arquitetura tradicional de um carro esportivo de motor central com uma cabine posicionada para frente. O centro de gravidade é localizado atrás dos assentos e na frente do eixo traseiro – o que auxilia na dinâmica de direção. Uma combinação de alumínio, carbono e compostos multimateriais garante que a carroceria do PB18 e-tron tenha um baixo peso. Não menos importante é a inovadora e leve bateria em estado sólido, que faz com que um peso de menos de 1.550 kg seja esperado.

O PB18 e-tron tem 4,53 metros de comprimento, 2m de largura e apenas 1,15m de altura. Apenas essas dimensões já configuram em um carro esportivo clássico. Visto de lado, o olhar é atraído para a linha do teto levemente inclinada, que é puxada para trás, e para as colunas C robustas. Junto com a larga e quase vertical janela traseira, esse design lembra um conceito de shooting brake – a síntese de um cupê com a traseira de uma station wagon. O resultado é não apenas uma silhueta distinta, mas com seus 470 litros, um ótimo bônus em termos de espaço de porta-malas – quase sempre um problema em carros esportivos.

A dianteira é dominada pela grade Singleframe com sua familiar forma hexagonal, que traz um corte largo e horizontal. O logotipo da marca é posicionado acima, na frente do capô, no típico estilo dos carros esportivos da Audi.

Os faróis altos a laser com seu enorme alcance são componentes especialmente emblemáticos da transferência de know-how do automobilismo: essa tecnologia fez a sua estreia no carro de corrida de Le Mans R18.

O layout oferece ao motorista uma qualidade única de visibilidade, e não apenas na pista de corrida. Olhando por meio do grande para-brisa, a partir da posição baixa do assento, o motorista enxerga precisamente a abertura do capô ventilado e a estrada, podendo assim direcionar perfeitamente o curso no ápice da curva. Montado no campo de visão há uma superfície transparente de OLED. A linha ideal para a próxima curva pode ser mostrada nele e controlada precisamente com dados de navegação e eletrônica do veículo.

No tráfego rodoviário, por outro lado, as setas de direção e outros símbolos do sistema de navegação encontram um lugar perfeito no campo de visão do motorista, similar a um head-up display. No tráfego rodoviário, o motorista pode também limitar a velocidade máxima, em favor da autonomia. Essa limitação é fácil de desativar na pista, e pode ser adaptada às condições locais.

 

O caminho para a produção em massa – mobilidade elétrica na Audi
A Audi vem desenvolvendo veículos elétricos ou híbridos desde o final dos anos 1980. Os carros atualmente no mercado são concebidos como uma síntese entre perfis de requisitos altamente conflitantes – na prática, isso geralmente significa que sempre é preciso abrir mão de alguma coisa. Em contraste, os carros conceituais atuais ocuparão uma posição nova e consistente em um mercado cada vez mais diversificado. O Aicon, de 2017 deu o pontapé inicial e o PB18 e-tron já nasce estabelecendo um novo marco histórico. Outros conceitos voltados para o tráfego urbano já estão sendo desenvolvidos e farão sua estreia nos próximos meses.